Rede que te quero verde

22/07/2014 03:06

Muito se tem falado agora, dentro e fora da internet, que a rede é um organismo biológico, um ecossistema completo, com todas as aracterísticas de um ser vivo. Agora...?! Desde seu início, a rede é um ser vivo! Como esperar algo diferente de uma reunião de pessoas, como não encarar como vida um produto da natureza humana?

"Verde que te quero verde. / Verde vento. Verdes ramas." Sim, a rede é um dos ecossistemas mais completos que existem. Uma somatória deles, por isto é tão complexa e difícil de se definir. A Biologia sozinha não a explica, assim como a Informática sozinha também não pode fazer nada. Por isto, precisamos ser todos multidisciplinares. Em outras palavras, humanos.

Por comportar tantas diversidades, tantas idiossincrasias, tantos traços humanos diferentes, a rede é um ser vivo complexo, tecno-bio-psiquicamente dinâmico. Para dizer o mínimo. A tecnologia é o corpo, a carne, o veículo. Hardware. A vida é o que corre pelo corpo, o que está marcado na carne. Software. Ânima.

Enquanto organismo biológico, que cresce a cada instante, a rede se alimenta, morre e renasce, refaz-se a partir de si mesma. A todo instante. Sites são criados do dia para a noite, informações são acrescidas, outras tantas saem de linha. É assim que o grande organismo internet se expande e se contrai.

Como todo ser vivo, a rede também se alimenta. Seu oxigênio são as informações que percorrem ávidas e céleres suas veias, canais de conexão. O sangue telemático pulsa pelos fios, alimentando o cérebro gigante, virtual, que existe à revelia de nossa sorte e vontade. A vida não existe segundo a nossa vontade.

Parece estranho? Por quê? Como seres vivos, deveríamos estar acostumados com a vida. Tudo bem que alguns se assustem, se surpreendam, vacilem, não saibam como lidar com a coisa. O que é vivo faz estremecer. O que é da carne faz estremecer a carne.

"(...) verde carne, pêlo verde, / com olhos de fria prata." Quem apenas olha seus olhos de prata é capaz de sentir o toque de seus pêlos verdes?

Como ocorre com todo ser vivo, é preciso conhecer as vontades da rede e seu jeito de se comportar para então compreendê-la. Entender seus movimentos, seus ritmos de ação e distenção, é fundamental. Faz-nos lembrar de nossos próprios instintos - os mesmos que nos impelem ou nos impedem de conectar, de estarmos soltos on line, sem saber o que nos espera até o próximo clique. Entender os ritmos da rede faz-nos reconhecer que estamos vivos, e para viver vivemos.

Não é à toa que, em rede, somos muito mais dinâmicos do que em nossa vida rotineira, desconectada. Pudera! Imagine todas as vidas pulsando em conjunto, cada uma seguindo seu ritmo ciclocardiano particular... Uma perfeita orquestra. Eu disse perfeita? Sim, ela tem um padrão que não é perceptível a olho nu. A música dos dados segue padrões caóticos, que a matemática dos fractais explica com perfeição.

A rede é, em gênese, absolutamente fractal. Caoticamente fractal. "Porém eu já não sou eu, / nem meu lar é mais meu lar. (...)/ A noite tornou-se íntima / como uma pequena praça."

Na praça, no mar de dados ou nas ilhas de conveniência da rede, somos pedaços dela, fazemos parte de seu organismo. A rede se alimenta de nós, de nossas intervenções, e nós aprendemos com ela, nos alimentamos dela. Apesar de ainda não ser tão fácil explicar com o que, como e por que nos alimentamos. A tão propagada interatividade nada é mais que o respirar da rede. Num momento, se inspira; noutro, deve-se expirar... Um vem, e outro vai.

"Verde que te quero verde. / Verde vento. Verdes ramas." Os versos de Lorca ressoam vivos e verdes em meus ouvidos. A carne treme, o sangue vai. Via rede.

................................................

Obs.: As frases em verde, no texto, são versos extraídos do poema "Romance Sonâmbulo", de Federico Garcia Lorca. O título do ensaio foi diretamente inspirado no verso "verde que te quero verde" do citado autor.


[© Rosy Feros, 2011]

 

 

Voltar

Para ir além:

  • Federico Garcia Lorca - Obra Poética Completa. Martins Fontes/Editora Universidade de Brasília, Brasília, 1989.
  • Poema "Romance Sonâmbulo", de Federico Garcia Lorca

Contato

Rosy Feros
São Paulo, Brasil

<© 2008 - 2017, Rosy Feros. Direitos Autorais Reservados. Textos e imagens licenciados sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito à autora original ("Rosy Feros")

Crie um site grátis

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!