Gula de pensar

Gula de pensar


Voar é vício que cultivo com pouca água:

minha asa cresce sem eu fazer nada.

A gula de pensar me entontece e abala,

me alimento de idéias e vazo palavras.

 

Começar sempre e sempre é meu vício,

serviço trágico de Sísifo louco.

Não tenho mais pêlo pra tanto vício,

já virei cordeiro de meu próprio lobo.

 

Pensar sem ter fim é desatinar,

prender-se em precipício antes mesmo de iniciar.

Quero voar vendo minha sombra no chão,

e não me perder no éter da escuridão.

 

Pensar com siso é meu intento:

quero começo, meio e fim, sem lamento.

Aparar arestas em fôrma cara

não é podar a asa da ave rara.



[© Rosy Feros, 2000]

 

 

Contato

Rosy Feros
São Paulo, Brasil

<© 2008 - 2017, Rosy Feros. Direitos Autorais Reservados. Textos e imagens licenciados sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito à autora original ("Rosy Feros")