Vaga memória

Eu me vejo como sempre me vi:
irreconhecível.

Onde minhas alegrias andarilhas,
meu ser íntimo descolado da planície?

Se sou vaga, sou da multidão.
Meu rosto incompreensível,
que nem ameaça os insetos.

Minha liberdade insuportável de ser eu mesma
anuncia:
o caos surge das águas não navegadas,
do mar esquecido.

 

[© Rosy Feros, 2010]

 

 

Contato

Rosy Feros
São Paulo, Brasil

<© 2008 - 2017, Rosy Feros. Direitos Autorais Reservados. Textos e imagens licenciados sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito à autora original ("Rosy Feros")

Crie um site grátis

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!